Teste de publicação

Teste de publicação

Agendar post
Conceito de tag e categoria

<!–more–>
<ul>
<ol>
<li>
<a href=”#”>Link</a>
<a name=”nome”></a>
<style>

Publicado em Desenvolvimento | Deixar um comentário

Busca em base de dados

Hoje a disciplina de metodologia no doutorado da UnB foi uma aula sobre busca a bases de dados. Dentro da aula ministrada pelo bibliotecário Marcelo foram tratados os seguintes temas:

1. Busca em bases de dados (ie DSpace)

a. Booleanos
b. Sempre procurar em inglês
c. “OR” é utilizado para sinônimos ou traduções
ex: (mandioca OR aipim OR yucca) (plantio OR cultivo OR farm)
d. NOT  pode ser utilizado para excluir homônimos
ex: “Tiago Braga” NOT designer
e. * serve para buscar variações de palavras
ex: educa*, traz educando, educação etc
f. ? proquest para buscar variações de uma mesma palavra
ex: wom?n, traz woman e women

2. Busca no google

Esse tema não foi abordado na disciplina, porém encontrei um com dicas muito valiosas: http://www.superdownloads.com.br/materias/5796-20-dicas-detonar-no-google.htm

3. Gerenciadores de referência

Indicação do Mendeley, EndNote e Zotero.

Agora é mãos à obra com a pesquisa.

Publicado em Ciência da Informação, Doutorado | Com a tag , , | Deixar um comentário

The invisible substrate of Information Science

Resumo escrito como preparação para aula da disciplina de Fundamentos de CI oferecida pelo doutorado em CI da UnB

Autora: Marcia J. Bates
Ano: 1999

A autora Márcia Bates, em seu artigo “The invisible substrate of information science” traz para discussão os paradigmas da Ciência da Informação. Uma das colocações da autora está relacionada aos recém chegados à área de CI, que não conhecem os desenvolvimentos que foram feitos na área e, muitas vezes, propõe soluções para problemas que já foram resolvidos antes, em uma espécie de reinvenção continuada da roda. Para a autora é essencial que esses recém chegados tenham acesso aos desenvolvimentos já obtidos cabendo aos especialistas da área se imporem.

No texto é apresentado que existem dois paradigmas para CI, aquele acima da superfície, conhecido pela maioria das pessoas e aquele abaixo da superfície. Como em um iceberg, a parte abaixo da superfície é bem maior e pouco conhecida. Para ilustrar o paradigma acima da superfície, Bates recorre a Borko dizendo que a CI é “o estudo da coleta, organização, armazenamento, recuperação e disseminação da informação”. Já o paradigma abaixo da superfície é apresentado através de uma série de tópicos que serão revistos a seguir.

 The Meta-Field of Information Science

Assim como as áreas de educação e jornalismo, ciência da informação é um meta campo, ou seja, um campo capaz de trazer reflexões sobre ele mesmo. Essa característica permite que as três áreas sejam horizontais, sempre trabalhando a informação relativa a diferentes áreas. Enquanto a educação está preocupada trazer conhecimento aos aprendizes, o jornalismo está preocupado em apresentar a informação e cabe à CI a preocupação pela recuperação da informação.

 The Content of Form

A CI está preocupada, inicialmente, com o formato e a organização da informação. O conteúdo é de importância secundária. A autora afirma que, para um cientista da informação, conhecer o conteúdo é um benefício a mais, porém não obrigação. Além da superfície, sempre que alguém coleta, organiza, armazena, recupera e dissemina a informação, alguém necessariamente está focado em entender a forma, a estrutura e a organização da mesma. Mesmo que o indivíduo seja apaixonado pela temática em que a informação está sendo trabalhada, ao se debruçar sobre os aspectos técnicos da ciência da informação a paixão pelo tema deixará de ser o principal e a atenção do indivíduo será focada no trabalho de ciência da informação.

Being and Representing

Neste tópico o artigo apresenta uma metáfora interessante. Assim como um ator que representa um médico em uma série é melhor naquele papel do que um médico propriamente dito tentando se representar, por ter domínios da arte da representação, também um especialista em CI é melhor em obter informações do que um especialista no conteúdo que se deseja pesquisar. “Representar” informação – enquanto indexa ou formula uma estratégia de busca – é diferente de “conhecer” a informação.

Subject Expertise

A autora continua na mesma linha de raciocínio ao abordar a experiência no assunto. Para ele o que se precisa para se resolver uma questão relacionada ao campo da informação é de um especialista com  experiência e talento em informação, não no conteúdo. A experiência no conteúdo é um “algo a mais”, mas não essencial. E é nesse ponto que a autora apresenta, o que ela descreve como a primeira falácia do trabalho com informação: “organização da informação depende de conhecimento profundo sobre o assunto e nenhuma experiência em informação”.

Information Science Theory

Nesse ponto são apresentadas diversas pesquisas, muitas delas inclusive contraditas posteriormente, mas que influenciaram no desenvolvimento da ciência da informação. Dentre esses trabalhos está o de Wiener, que diz que os sistemas são determinados pelo feedback de informação para um elemento governante do sistema.

Information Science Universe

Bates apresenta, então, qual seria o universo da CI e faz algumas afirmações para pontuá-lo (pág 1048):

Nós estamos interessados em informação enquanto um fenômeno social e psicológico

Nosso foco primário, não o único, é trabalhar com informação armazenada e a relação das pessoas com esta informação.

Fica claro que a ação humana na produção da informação é considerado para a autora como integrante do universo da informação, entretanto, como as pessoas se relacionam com essa informação seja na busca, utilização, não utilização ou recuperação são de importância central, também. Para isso é necessário entender as hierarquias sociais, que influenciam como e quais informação são foco de atenção. A CI, neste caso, não está interessada na hierarquia em si, mas antes, como essas hierarquias promovem ou impedem a transferência de informação.

A CI (pag 1048):

Sempre segue a informação

Information Science’s Big Questions

Baseado nesses apontamentos, são apresentadas as três grandes questões da CI

  1. A questão física: Quais são as ferramentas e leis do universo da informação armazenada?
  2. A questão social: Como as pessoas se relacionam, buscam e usam a informação?
  3. A questão de estrutura: Como acessar informações armazenadas de forma mais rápida e efetiva?

As questões 1 e 3 se baseiam apenas em informações armazenadas, enquanto a 2 está relacionada a todo tipo de informação.

Methodological Substrate

Ao abordar a metodologia da CI, a autora destaca que existem as metodologias que melhor são utilizadas com as áreas de Ciências Sociais e Ciências Exatas. Para se fazer CI é preciso utilizar as duas perspectivas, devido ao caráter multidisciplinar do campo.

Values

Por fim, quando trata dos valores da CI, o artigo aponta que eles são neutros, focados na obtenção de resultados. O fato de serem neutros, sem questões políticas implícitas indica que os mesmos podem transitar por pessoas com diferentes acepções políticas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicado em Ciência da Informação, Doutorado | Com a tag | Deixar um comentário

Descobrindo o Mac

Sempre que preciso fazer alguma coisa nova no Mac, é um parto. Hoje precisei fazer três coisas que ainda não havia feito:

1. Habilitar o PHP
Para habilitar o php utilizei esse post aqui: http://editrocket.com/articles/php_apache_mac.html

O problema é que ele requer edição de arquivos ocultos, e para isso, utilizei outra fonte.

2. Edição de arquivos ocultos
http://hints.macworld.com/article.php?story=20010503085830560

E por fim, reiniciei o Apache.

3. Reiniciar o Apache

https://www.euperia.com/development/restart-apache-on-mac-os-x/895

Resolveram meu problema!

Publicado em Apple | Com a tag , | Deixar um comentário